8.09.2007

Violentamente Inovador

Apocalypto (Apocalypto, 2006) Gênero: Ação - Aventura - Drama Duração: 125 min. Origem: EUA Direção: Mel Gibson Roteiro: Mel Gibson Produção: Mel Gibson, Bruce Davey

Mel Gibson explora mais uma vez a realidade em seu mais novo filme.
Num mundo onde somos diariamente bombardeados por imagens de destroços causados por explosões de carros bomba nas ruas de Bagdá, som das vitimas ensangüentadas chorando e tiroteio envolvendo policiais e traficantes nas ruas do Rio de Janeiro em plena luz do dia, chocar as pessoas tem se tornando uma tarefa cada vez mais difícil.
Mas felizmente, Mel Gibson continua no caminho certo como diretor. O seu mais novo filme, depois dos brilhantes Coração Valente e A Paixão de Cristo, surge como um soco forte no estômago, daqueles que nos tiram o ar.
Sabe aqueles filmes que te deixam sem palavras? Pois é, Apocalypto é um deles. O filme não choca apenas pelo fato de ser um filme violento, até porque se fosse apenas por isso ele seria apenas mais um dos inúmeros filmes que a indústria americana insiste em nos empurrar aos montes. Não. Definitivamente Apocalypto não é apenas mais um filme violento. O filme nos choca por ser violentamente inovador, quase selvagem na capacidade de ser diferente de tudo já visto no cinema.

O filme nos conta a historia de Jaguar Paw. Pai de família, Paw vive feliz em uma pequena aldeia em algum lugar da America Central. Mas a tranqüilidade local acaba quando a aldeia é invadida por um grupo de guerreiros de outra tribo, que capturam pessoas para servirem como sacrifício em um templo maia. Durante o ataque Paw consegue esconder seu filho e sua mulher dos invasores. Porém o próprio Paw não tem a mesma sorte e acaba sendo capturado e levado ao templo. Sua jornada ao império maia e conseqüente fuga, na tentativa de resgatar sua família conduzem o restante do filme. Uma característica especial do filme é a capacidade de colocar o espectador dentro da ação. É espantoso como em poucos minutos somos tragados para dentro do filme. Ficamos tão confusos e desorientados dentro da grande cidade Maia como aqueles caçadores que só haviam ouvido falar daquele lugar como a terra lendária de pedra, onde saia sangue do chão. O medo que vemos nos olhos dos homens quando eles vêem os templos altos dos quais rolam as cabeças dos sacrifícios é tão instintivo que a nossa única reação é o silêncio. A violência ali é crua, densa, palpável e assustadora. E tão chocados quanto o protagonista ficamos nós. As cenas de ação são de tirar o fôlego. Jaguar Paw corre, pula, leva flechada, pula de cachoeira, sobe em árvore, e a câmera corre e pula junto, a impressão que temos é de estarmos correndo com ele no meio da densa selva, as vezes dá ate vontade de olhar para trás enquanto os perseguidores continuam a segui-lo freneticamente apenas alguns metros atrás.

O detalhismo como o filme apresenta a vida da época é impressionante. Antes mesmo do ataque à aldeia, logo na cena inicial em que uma anta é perseguida, já é possível notar a violência existente. Uma violência cometida não por maldade ou crueldade, mas pela própria necessidade de sobrevivência. E é justamente essa violência que faz com que o filme brilhe, ainda que seja em meio a muito sangue. Apocalypto é um excelente filme, muito bem escrito e produzido, merecia ter sido melhor lembrado no Oscar, até porque não é todo dia em que temos a oportunidade de assistir a um filme pesado, denso, repleto de ação do começo ao fim, violentíssimo, mas ao mesmo tempo criativo, belo e ousado em sua proposta. AVALIAÇÃO: 10/10

8 comentários:

Zaidaaaaaaaaaaa disse...

O filme eh interessante sim, principalmente pra quem sabe q trata-se dos mayas e nao de uma tribo indigena qualquer. A historia do filme eh interessante, as crenças, os costumes e os rituais tambem chamam a atenção. Mas não acredito q tenha sido um filme pra ser apresentado em 2 horas e 30 minutos!!! Bem pra quem quiser fazer uma osadia com a namorada ou ateh mesmo prestar atenção no filme, eh um bom passa tempo sim. Akele abraço Leo!!

ZeDu disse...

Opa!

Ainda não tive a oportunidade de assistir, mas fiquei interessado pelo filme. O texto consegue retratar bem o universo do filme, despertando a curiosidade do leitor.

Valeu pela dica!

Liderico disse...

Seja Bem Vindo a esse mundo de Blogs...rsrsrs...de muito bom gosto seus comentarios. não assisti o filme ainda, mas me criaou um enorme interesse.

Ate +

º° Bibian °º disse...

Me deixou curiosa desde ontem! Ja providenciei o download ;)

Até por que, os filmes do Gibson são sempre, interessantíssimos, penso eu.

Um beijo e, bem vindo aos bloggers!

Ricardo disse...

Q texto fabuloso, garoto.

Assisti ao filme. Concordo q o Gibson t� cada vez melhor como diretor. O filme tem suas falhas, � achei t�o fabuloso qto vc, mas t� valendo.

Um grande abra�o...

Márcia disse...

Leo, vc sabe o quanto odeio filmes violentos, mas até que fiquei com curiosidade para saber mais sobre esse filme. Para quem gosta desse estilo está valendo, mas eu prefiro coisas mais leves
Um bj

Cris ॐ Felix disse...

Leozito...
Particularmente, n�o achei t�o fant�stico. Seu coment�rios s�o �timos, mas o filme n�o � l� essas coca-colas...
Adoro ler e ver td sobre as antigas civiliza�es da Am. Latina, talvez por isso, pra mim tenha deixado a desejar!
Cinematograficamente falando, a fotografia � maravilhosa e figurino de cair o queixo!! No mais, nada de 'felo'menal! :]
Opini�o minha! :P
Bjitos

nessita disse...

o filme é denso, tenso e instigante, sobretudo qndo o Jaguar Paw enfrenta seus medos e resolve defender suas terras.Pena q o paid ele morreu antes de conhecer no filho esse lado corajoso q ele escondia e passou a coragem para seu neto, q desde pequeninhinho protejeu a mae e o irmaozinho q estav por vir da maneira dele

mto bom seu blog leozinho, jah vi q vc tah craque nos links hahahaa